[ editar artigo]

Entrevista com Bruno Sanches: A Cultura Ferroviária no Brasil

Entrevista com Bruno Sanches: A Cultura Ferroviária no Brasil

Olá, Amante da ferrovia! Além de ser um apaixonado por trens e pelas ferrovias brasileiras, Bruno Sanches é o presidente nacional da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária - ABPF, ele vai contar um pouco de seu trabalho dentro da entidade e de como ela tem influenciado para manter viva as histórias das estradas de ferro. Confira a entrevista que irá falar um pouco sobre a cultura ferroviária no Brasil. 

  1. Bruno, o que é a ABPF e o que ela faz? 

A ABPF é uma entidade civil sem fins lucrativos de cunho histórico, cultural e educativo, que é reconhecida como OSCIP – Organização Social de Interesse Público (publicado no D.O.U. de 24 de dezembro de 2004). Nossa missão é promover o resgate e a conservação do patrimônio histórico ferroviário brasileiro, disponibilizando os bens à visitação pública, desde que a conservação do bem não seja colocada em risco.

Claro que parte mais conhecida da nossa entidade são seus trens turísticos, hoje num total de 8 trens em operação: Viação Férrea Campinas Jaguariúna, Trem da Serra da Mantiqueira - Passa Quatro - MG, Trem das Águas - São Lourenço - MG, Trem de Guararema, Trem do Imigrante - São Paulo, Trem da Serra do Mar - Rio Negrinho - SC, Trem das Termas - Piratuba - SC, Estrada de Ferro Santa Catarina - Apiúna - SC.

Mas a ABPF vai muito além disso, os trens turísticos foram a melhor forma que a entidade encontrou de gerar renda para manter seus trabalhos. Hoje, nossa entidade é custeada praticamente apenas pela receita dessas operações, sem a utilização de dinheiro público. E estes passeios é que permitem a entidade fazer seu trabalho de preservação, seja o resgate de locomotivas, manutenção do material histórico etc. 

Hoje, por exemplo, a ABPF está recuperando mais de 40 km de ferrovia, com uma operação conjunto com a Rumo Logística, no Paraná, recuperando o ramal de Morretes a Antonina e sozinha, em Cruzeiro - SP, recuperando 25 km de antiga "Minas and Rio Railway", ferrovia dos tempos do império, abandonada desde 1991. Fora esses novos trechos sendo abertos, hoje a ABPF já mantém mais de 70 km de ferrovia (que ela mesma recuperou ao longo desses 40 anos), mais de 20 estações são mantidas, além de dezenas de itens de material rodante entre locomotivas, carros de passageiros, vagões etc. De forma simplista, a ABPF é uma pequena ferrovia com 8 operações distintas, mantida por voluntários e custeada por nossos visitantes. 

Isso quer dizer que as pessoas que hoje visitam um dos trens da ABPF e fazem o passeio, não estão meramente pagando uma passagem, estão sim contribuindo para a preservação do patrimônio ferroviário nacional. 

2. Qual a importância de existir uma entidade desse tipo no Brasil? 

A ABPF foi fundada no final da década de 70, mais precisamente em 1977. Ela foi fundada pelo francês Patrick Henri Ferdinand Dollinger, um apaixonado por locomotivas a vapor e por ferrovias. Patrick chegou ao Brasil em 1966 (período de transição da tração a vapor para a diesel) e, preocupado com o abandono da história ferroviária brasileira, resolveu criar uma entidade de preservação nos moldes das existentes na Europa e Estados Unidos.

A ABPF foi pioneira no quesito preservação ferroviária no Brasil e sua primeira ação foi instituir uma campanha nacional para impedir o sucateamento de locomotivas a vapor. Com isto, a entidade conseguiu sensibilizar obter o apoio do então corpo diretivo da Rede Ferroviária Federal S. A.. De uma só vez, a RFFSA cedeu a ABPF 13 locomotivas a vapor desativadas. A segunda grande missão foi conseguir um ramal desativado para colocar este material.

Assim, a entidade conseguiu trazer ao Brasil a consciência sobre a importância desse legado ferroviário do nosso país, processo que continua firme até o momento. A entidade com mais de 40 anos está em uma nova fase, com trabalho árduo para preservar as locomotivas diesel elétricas. Sendo que, muitas que estão sendo preservadas pela entidade, são tão antigas quanto eram as primeiras locomotivas a vapor na época, que foram incorporadas ao acervo da entidade no final da década de 70. 

3. Na sua opinião, o transporte ferroviário ainda é essencial no país? 

Certamente. Não consigo ver uma matriz de transporte sem forte papel das ferrovias. Apesar do meu papel de preservação ferroviária e minha paixão pela ferrovia, não consigo olhar para a parte de transportes sem ser pragmático. É importante quando falamos de transporte encararmos as ferrovias de forma prática e funcional, aplicarmos ela onde realmente ela pode fazer a diferença e ser útil a nossa nação. 

4. Sabemos que as ferrovias sofrem muito com o desgaste natural, tanto dos trilhos quanto dos vagões, mas existe uma colaboração do ser humano nesse desgaste? Existem, por exemplo, vândalos de trens? Se sim, como vocês lidam com isso? 

Com certeza, o fator humano é o maior destruidor do nosso patrimônio. Se não fosse a ação humana, muitos bens de grande valor ainda estariam em boas condições. Existe sim problemas de várias formas, desde vandalismo ao acervo em nossos depósitos, problemas como roubos, incêndios etc. Temos inclusive problema com as operações dos trens regulares.

O problema é enfrentado de diversas formas: Nas operações regulares, muitas vezes, é feito um trabalho de conscientização com a população que fica em torno do trem. Nos depósitos, é feito trabalho para aumentar a segurança, como monitoramento de vídeo, por exemplo. 

Nos últimos anos, com o aumento de nossas operações por linhas de concessionárias, também temos tomado medidas para evitar problemas com vandalismo em território "estranho", pois sabemos que a questão do vandalismo ferroviário é generalizado.

5. Qual é a importância de procurar aumentar constantemente o número de associados?

Somos uma entidade de preservação, hoje a maior do Brasil e que cresceu muito graças ao empenho dos seus associados. A força da ABPF vem dos seus associados, eles é quem "tocam" a entidade e a empurram para frente. Apesar de hoje a Associação ter dezena de funcionários nas mais diversas atividades, as pessoas que comandam a ABPF e cuidam do dia a dia da entidade são os associados. 

É importante lembrar que qualquer pessoa pode se filiar a ABPF através do nosso site. 

6. Por último, como conciliar ferrovias e o meio ambiente?

Este é um desafio interessante, mas a ferrovia é um dos meios de transporte menos agressivos ao meio ambiente. Os trens utilizados de forma sensata são menos poluidores que seus concorrentes diretos. Sua interferência no meio ambiente é bem menor. Se observarmos uma ferrovia cortando uma zona rural, logo fica claro que sua faixa de interferência é bem menor que a interferência de uma rodovia, por exemplo. 

E a conciliação é feita com medidas cada vez mais modernas de conservação de recursos. As locomotivas a vapor na ABPF, por exemplo, somente usam madeiras provenientes de áreas de plantações. Temos feito pesquisas para o uso de combustíveis alternativos, como por exemplo, a utilização de óleo de cozinha usado. Inclusive já foi feito um protótipo de caldeira para esse tipo de combustível em nossas oficinas, em Santa Catarina. 

Na ABPF temos um re-aproveitamento muito grande dos mais diversos materiais, de forma a minimizar custos e também ajudar o meio ambiente gerando-se a menor quantidade possível de resíduos. 

A ABPF faz um trabalho incrível nas ferrovias brasileiras. Vale a pena se associar! Gostou da entrevista? Tem algum nome para sugerir? Deixe nos comentários.

Amantes da Ferrovia
Ler conteúdo completo
Indicados para você